Felipe Giaffone venceu as duas corridas da Copa Truck em Buenos Aires, na Argentina, após uma rodada dupla eletrizante que contou com chuva, tempo seco, pegas do início ao fim e muita emoção. Com isso, o piloto da Volkswagen, campeão da Copa Centro-Oeste, dá um passo muito importante para tentar garantir mais um caneco na Copa Mercosul.

As provas aconteceram com o tempo muito instável: começou a chover cinco minutos antes da volta de apresentação, com alguns pontos da pista ficando bem molhados. No entanto, eles encararam a corrida 1 com pneus de pista seca e deram um show de pilotagem e habilidade. A disputa tripla entre Giaffone, o pole Wellington Cirino e Roberval Andrade levantou os presentes no Autódromo Juan y Oscar Gálvez.

Os três se alternaram na liderança até o momento em que o caminhão de Giaffone se adaptou melhor às condições e ele recebeu a bandeirada com 2s3 de vantagem para Cirino, enquanto Roberval completava o pódio, seguido de Leandro Totti, Danilo Dirani, Beto Monteiro, André Marques e Adalberto Jardim, que garantiu a pole da corrida 2 com o oitavo lugar.

A segunda corrida do dia, no entanto, conseguiu ser melhor que a primeira. Em duas atuações de gala, Giaffone e Monteiro engoliram todos e se engalfinharam na briga pela vitória, com o piloto da Volkswagen levando a melhor após Monteiro sofrer com um vazamento de água – decorrência de um toque com Totti. Mesmo assim, o competidor da Iveco não desistiu e seguiu no encalço de Giaffone, que venceu com apenas 0s3 de vantagem. Marques garantiu mais um pódio na temporada ao ser terceiro, com Dirani e Cirino fechando o Top 5.

“A primeira corrida eu ganhei na pista, na raça. Na largada eu passei um pouco da conta e fui para a grama, mas o caminhão tracionava bem e era muito bom nessas condições. Já na segunda eu tive sorte, pois todo mundo estava muito competitivo. Não estava dando conta do Beto, mas ele teve o problema e eu tive um pouco de sorte. Foi muito melhor que eu imaginava”, destaca Giaffone.

“Em um toque com o Roberval eu acabei ficando com um pneu inutilizável e o início foi uma situação difícil para todos. Mas fico feliz por sair em segundo no campeonato e agora ir para Rivera, uma pista que gosto e onde já venci”, comenta Cirino, que sai de Buenos Aires com 31 pontos, apenas nove atrás do líder Giaffone.

Já Roberval ficou com sentimentos mistos após a rodada dupla: “Foi um fim de semana meio perfeito com o pódio e um problema de motor que me fez ficar fora da corrida 2. Mas essas dificuldades servirão de motivação para Rivera. Sabemos que a quebra veio de um erro de regulagem e para a próxima etapa vou lutar para tentar garantir um lugar entre os três e mais pontos para a final.”

Beto Monteiro, por sua vez, nem ligou para o problema do vazamento de água, uma vez que ele nem classificou e conseguiu duas corridas entre os seis, com direito a pódio. “Foi uma pena o toque com Totti, que fez vazar água do meu carro cada vez mais, aí perdi rendimento e o Felipe chegou. Os dois resultados aqui foram uma super vitória. Precisávamos do pódio e o caminhão estava realmente bom.”

Atual líder do ranking da Grande Final, que acontece dia 2/12 em Curitiba, e maior pontuador da temporada, André Marques garantiu mais um pódio na capital argentina: “Estou feliz ao continuar mantendo a regularidade. Queremos a vitória mas estamos perto. Enquanto ela não chega a gente pensa no campeonato”. Já Dirani não repetiu o desempenho de Goiânia, mas aprovou o trabalho de sua equipe, a PPD. “Foi um fim de semana muito bom, de muito aprendizado sobre o caminhão. Temos muita coisa para acertar, trouxemos a ‘receita’ de Goiânia mas funcionou diferente. Mesmo assim, saíndo de 18º, garanti dois pódios e sigo na briga pela Copa”, completa.

A decisão da Copa Mercosul está marcada para os dias 6 e 7 de outubro em Rivera, no Uruguai. Confira abaixo os resultados completos de Buenos Aires:

Resultado Corrida 1
1º – Felipe Giaffone, Volkswagen, em 22min47s520
2º – Wellington Cirino, Mercedes-Benz, à 2s390
3º – Roberval Andrade, Scania, à 10s241
4º – Leandro Totti, Mercedes-Benz, à 15s005
5º – Danilo Dirani, Mercedes-Benz, à 19s740
6º – Beto Monteiro, Iveco, à 23s983
7º – André Marques, Mercedes-Benz, à 24s850
8º – Adalberto Jardim, Ford, à 25s007
9º – Renato Martins, Volks, à 26s975
10º – Pedro Paulo, Mercedes-Benz, à 27s795
11º – Regis Boessio, Volvo, 28s114
12º – Witold Ramasauskas, MAN, à 38s192
13º – Giuliano Losacco, Iveco, à 38s333
14º – Luis Lopes, Iveco, à 40s114
15º – Rodrigo Belinati, Volks, à 41s310
16º – Fábio Fogaça, Ford, à 41s636
17º – Débora Rodrigues, Volks, à 43s014
18º – Duda Bana, Volvo, à 46s787
19º – Rogério Castro, Volks, à 1min14s814
Melhor volta: Leandro Totti, 1min49s874

Resultado Corrida 2
1º – Felipe Giaffone, Volkswagen, em 23min35s843
2º – Beto Monteiro, Iveco, à 0s372
3º – André Marques, Mercedes-Benz, à 1s115
4º – Danilo Dirani, Mercedes-Benz, à 2s358
5º – Wellington Cirino, Mercedes-Benz, à 2s957
6º – Leandro Totti, Mercedes-Benz, à 29s499
7º – Giuliano Losacco, Iveco, à 35s116
8º – Witold Ramasauskas, MAN, à 36s304
9º – Duda Bana, Volvo, à 57s371
10º – Luis Lopes, Iveco, à +1min
11º – Renato Martins, MAN, à +1min
12º – Fábio Fogaça, Ford, à +1min
13º – Débora Rodrigues, Volks, à +1min
14º – Rogério Castro, Volks, à +1min
15º – Regis Boessio, Volvo, à 3 voltas
16º – Adalberto Jardim, Ford, à 5 voltas
17º – Rodrigo Belinati, Volks, à 8 voltas
Melhor volta: Beto Monteiro, 1min39s515

Classificação da Copa Mercosul
1º – Felipe Giaffone, 40 pontos
2º – Wellington Cirino, 31 pontos
3º – Beto Monteiro, 30 pontos
4º – Danilo Dirani, 27 pontos
5º – André Marques, 27 pontos
6º – Leandro Totti, 26 pontos
7º – Roberval Andrade, 18 pontos
8º – Renato Martins, 16 pontos
9º – Witold Ramasauskas, 16 pontos
10º – Giuliano Losacco, 16 pontos
11º – Luiz Lopes, 12 pontos
12º – Adalberto Jardim, 12 pontos
13º – Regis Boessio, 10 pontos
14º – Pedro Paulo, 10 pontos
15º – Duda Bana, 7 pontos
16º – Rodrigo Belinati, 5 pontos
17º – Fabio Fogaça, 4 pontos
18º – Debora Rodrigues, 3 pontos
19 – Rogério Castro, 2 pontos