Diferenças caem, mas líder continua ditando ritmo antes da decisão

Giaffone, que está na frente na luta pelos dois títulos ainda em jogo na temporada inaugural da categoria, admitiu que o cenário do terceiro treino pode ter espelhado mais a realidade que os resultados da véspera. “Agora ficou mais pertinho, parece que todos estão melhorando seus caminhões. Além disso, a pista esfriou e mudou um pouquinho o acerto. Mas estou satisfeito”, analisou. Ele só superou Salustiano por apenas três décimos já nos últimos minutos, mas disse que o crescimento no final era esperado. “Saímos com pneus mais altos, de corrida, que vou usar domingo, e só depois é que colocamos os de classificação, com o caminhão mais quente”, explicou.

Apesar de seguir invicto no final de semana, Giaffone se coloca somente como um dos favoritos à pole, admitindo que a briga deverá ser acirrada. “Nos treinos é sempre difícil saber o que os outros estão fazendo. Na verdade, não é que eu tenha piorado e, sim, os outros que é que chegaram próximos aos meus tempos. Sou um dos favoritos, mas, vamos ver, o caminhão precisa continuar bom”, ressalvou. Ele tem a melhor volta do fim de semana até agora, conquistada ontem com o tempo de 2min05s175.

Salustiano chegou a sentir o gostinho de ser o mais veloz, mas foi superado pelo parceiro. Mesmo assim, aprovou o balanço final da sexta-feira. “É minha segunda corrida na Copa Truck, a segunda no caminhão Volkswagen, que é bem diferente do que eu estava acostumado. Só posso estar feliz com essa rápida adaptação e com a equipe, que me tem proporcionado um belo equipamento. E ter a referência de um campeão como o Felipe me ajuda bastante”, lembrou.

Em Tarumã, na abertura da Copa Sul/Sudeste, Salustiano não pôde saborear a vitória na estreia porque foi punido por queima na relargada. Desta vez, embora sonhe com o resultado que não pôde comemorar, avisa que a prioridade é empurrar o parceiro na direção do título. “Esse é o primeiro objetivo. Mas, se ele estiver confortável e eu puder ganhar, melhor ainda.” Humilde, reconhece que Giaffone está um passo adiante. “Ele já tem pelo menos cinco anos com esse caminhão. Estou tendo de me adaptar a tudo, ao motor, completamente diferente daquele do caminhão que eu guiava, com o sistema de freios e até com a posição de guiar e as pedaleiras. Em Tarumã já foi legal, aqui estamos melhorando, encontrando o caminho. O Felipe que se cuide, porque logo vamos encher o saco dele”, avisou. Sobre a pole, Salu se incluiu entre as forças. “Ela será decorrência de uma série de fatores, mas por que não? De qualquer forma, o Felipe é o favorito.”

Os tempos do terceiro treino livre:

1 – Felipe Giaffone (VW), 2min05s916
2 – Paulo Salustiano (VW), 2min06s282
3 – Wellington Cirino (Mercedes-Benz), 2min06s293
4 – Roberval Andrade (Iveco), 2min06s814
5 – Adalberto Jardim (VW), 2min07s333
6 – Witold Ramasauskas (VW), 2min07s452
7 – Regis Boessio (Volvo), 2min07s813
8 – Renato Martins (VW), 2min07s856
9 – Débora Rodrigues (VW), 2min08s810
10 – Jaidson Zini (Scania), 2min08s889
11 – André Marques (Mercedes-Benz), 2min09s354
12 – Luiz Lopes (Iveco), 2min10s679
13 – Duda Bana (Scania), 2min10s942
14 – Pablo Alves (Volvo), 2min14s890
15 – Joel Mendes Jr. (Scania), 2min16s332
16 – Eurípedes Reis (Ford), sem tempo
17 – Djalma Fogaça (Ford), sem tempoпоисковых частотность